nov 05 2017

7 dicas para vencer um debate sem precisar ter razão


Confira 7 dicas de Schopenhauer para vencer um debate sem precisar ter razão.

As dicas a seguir foram extraídas do livro Como Vencer um Debate sem Precisar ter Razão, de Arthur Schopenhauer (livro que o filósofo deixou inconcluso ao falecer).

Ao leitor, tais dicas talvez soem um tanto quanto “maquiavélicas”, imorais, mas conhecê-las pode ser útil inclusive para não se permitir ludibriar por aqueles que lançam mão delas.


Fonte: http://www.pensarcontemporaneo.com/7-dicas-de-schopenhauer-para-vencer-um-debate-sem-ter-razao/
Facebook do Pensadores Contemporâneos: https://www.facebook.com/pensadorescontemporaneos2/

1 – Generalize as afirmações do seu oponente: consiste em levar a afirmação do oponente além de sua fronteira natural, tomá-la e interpretá-la da maneira mais ampla e generalista possível e exagerá-la; ou pelo contrário, tomá-la no sentido mais restrito possível, fechá-la nos menores limites possíveis, porque quanto mais geral se torna uma afirmação, mais ataques ela pode receber.


2 – Faça o oponente concordar de forma indireta: quando a disputa se desenrola de maneira um tanto rigorosa e formal e se deseja claramente chegar a um acordo, então quem fez as afirmações e quer prová-las deve agir contra o oponente, colocando-lhe questões para demonstrar a verdade a partir de suas conclusões. Esse método erotemático (também chamado de socrático) foi especialmente utilizado pelos antigos


3 – Disfarce seu objetivo final: as perguntas quando não são feitas na ordem que levaria a uma conclusão possível podem levar a uma confusão muito grande. O oponente não sabe aonde você quer chegar e não pode se precaver. Também é possível usar suas respostas para tirar diferentes conclusões, até contrapô-las, de acordo com suas características.


4 – Use a psicologia da negação: quando percebe que o oponente nega de maneira proposital (e infantil) as afirmações cuja aprovação seria usada para a nossa frase, deve-se perguntar o oposto da oposição utilizada, como se estivéssemos ansiosos por sua aprovação; ou deve-se pelo menos apresentar as duas para escolha, para que ele então não perceba qual frase queremos que seja aprovada.





5 – Tome um conceito geral para o caso particular: faz-se uma indução e o oponente cede em casos individuais, pelos quais ela deve ser apoiada. Então não se deve perguntar a ele se também admite a verdade em geral que surge desses casos, mas sim introduzi-la depois como estabelecida e reconhecida. Nesse meio-tempo, ele próprio vai passar a acreditar que a admitiu, e isso vai acontecer também com os ouvintes, porque vão se lembrar das diversas perguntas sobre cada caso específico e vão supor que elas devem, claro, ter alcançado seu objetivo.


6 – Desfoque; depois encontre uma brecha: se o oponente nos desafiar de maneira expressa e fizer uma objeção contra algum ponto específico de nossa afirmação, contra o que não temos nada a dizer, então precisamos utilizar a generalização e devolver o ataque da seguinte forma: Se somos chamados a dizer por que determinada hipótese da física não pode ser aceita, devemos falar sobre a ilusão do conhecimento humano e citar vários exemplos.


7 – Invalide a teoria pela prática: “o que pode estar certo na teoria na prática está errado.” Por meio desse sofisma aceitam-se as premissas mas nega-se a conclusão: em contradição com a regra a ratione ad rationatum valet consequentia [do motivo à consequência, vigora a consequência]. Essa afirmação baseia-se em uma impossibilidade: o que em teoria está certo deve valer também na prática; se não valer, então existe um erro na teoria, alguma coisa não foi percebida e não foi levada em consideração, portanto isso está errado também na teoria.


 

Deixe seu comentário