Como era a Pirâmide de Quéops na época em que foi construída?




  As ‘antigas’ pirâmides do Egito não eram iguais às que conhecemos hoje. Foram 4500 anos de intempéries.
As pirâmides de Gizé são uma daquelas imagens que todo mundo conhece. A impressionante pilha de blocos maciços de pedras gigantescas que forma uma das pirâmides mais conhecidas, com estrutura piramidal perfeita de proporções inacreditáveis. O complexo de Gizé é patrimônio da humanidade e hoje a grande pirâmide de Quéops (túmulo do faraó Khufu) é considerada uma das Sete Maravilhas do Mundo. 

  Porém, a imagem que conhecemos dessa obra e a imagem de mais de 4.000 anos de inutilização da necrópole enquanto o deserto faz seu trabalho de cobrir e acertar a construção com areia e ventos fortes. É claro que essa obra gigantesca não iria ser igual depois de tantos anos.

Porém, pesquisadores desse tema analisam os vestígios do campo e sabem, minimamente, reproduzir as condições e características da estrutura no seu projeto inicial, principalmente a partir de registros arqueológicos, pedaços da estrutura pela região, registros de construção, descrições, desenhos e especulações em cima do conhecimento sobre a época.


Em primeiro lugar, é preciso entender que o que vemos hoje erguido sob a areia é somente a estrutura principal da pirâmide, composta de blocos enormes de calcário comum unidos por uma espécie de argamassa inexplicavelmente resistente. Ao redor da estrutura, havia um revestimento bem trabalhado de pedra calcária branca. Sabemos disso pois foram encontrados diversos fragmentos dessa placa enterrados na areia envolta da pirâmide. Muitas das placas estão incompletas por serem quebradas e roubadas no decorrer de milhares de anos.

  Os relatos da época indicam que a estrutura calcária polida, vista de fora, refletia a luz do sol, emanando muita luz que tomava os arredores, do mesmo jeito que faz o ouro, por exemplo. A reprodução gráfica do monumento (acima) mostra uma superfície lisa e aparentemente uniforme e branca, refletindo os raios de luz.


Texto da Fanpage Historia Liberta –  +SIGA HISTORIA LIBERTA




Deixe uma resposta

Seu e-mail não será publicado.