Hitler nunca foi vegetariano


Dione Lucas, uma das cozinheiras de Hitler, em sua obra de 1964 Gourmet Cooking School Cookbook, relatou que a receita favorita do pai do nazismo era pombo recheado. [1]

Robert Payne, considerado seu biógrafo definitivo, também corroborou o gosto de Hitler por carne e produtos animais, revelando que seu suposto vegetarianismo era uma ideia inventada por Joseph Goebbels:

“Este ascetismo hitleriano era uma invenção de Goebbels para enfatizar sua dedicação total, seu autocontrole, e sua distância dos homens comuns […]. Apesar de Hitler não possuir grande afeição por carnes, exceto sob a forma de salsichas, e de nunca ter comido peixe, ele gostava de caviar.” (grifo nosso) [2]


Fonte: MARCOS – https://oholocaustoanimal.wordpress.com/

Albert Speer, outro biógrafo oficial de Hitler, relatou seu apreço por fígado e presunto. [3]

Goebbels construiu, portanto, um mito, com o objetivo de passar ao mundo a ideia de que Hitler era “pacifista”, algo oposto à violência praticada pelos nazistas; o que não se confirma pelo fato de que o próprio Heinrich Himmler, um dos criadores das câmaras de gás, criava galinhas para abate [4].

Já na biografia de Stálin, de Simon Sebag Montefiore, o autor relata um almoço entre Hitler e os soviéticos Mólotov, Merkúlov e Dekanózov, no qual o cardápio continha caldo de carne e faisão:

“Os russos ficaram desapontados com o menu austero de Hitler, que dizia simplesmente: Kraftbruhe, Fasan, Obstsalat (caldo de carne, faisão e salada de frutas).” [5]





Hitler também testou veneno em sua cachorra Blondi antes de cometer suicídio. Joachim Fest, historiador alemão, esclarece o fato em sua biografia de Hitler:

“Mas Hitler temeu que o veneno escolhido não fosse eficaz ou de efeito bastante rápido para provocar sua morte. Preferiu que o veneno fosse testado em sua cachorra. […] Pouco depois, Hitler entrou no banheiro e fixou por instantes com o olhar vago o cadáver do animal. A seguir, convidou os moradores dos dois bunkers a vier dar-lher o último adeus na sala de reuniões.” (grifo nosso) [6]

Montefiore reitera a crueldade de Hitler:

“Dois dias depois, com a aproximação de Júkov, Hitler testou ampolas de cianureto em seu cãozinho alsaciano Blondi. Por volta das 15h15, ao som do burburinho distante da festa no andar de cima, Hitler suicidou-se com um tiro na cabeça.” (grifo nosso) [7]

Além de assassinar a própria cachorra e comer carne, Hitler baniu todas as organizações vegetarianas da Alemanha segundo Edgard Kupfer, preso no campo de concentração de Dachau entre 1942 e 1945, que relatou o fato em seu diário [8].

Resumindo: a alegação de que Hitler era vegetariano ou amante de animais é falsa.


Fonte:  MARCOS – https://oholocaustoanimal.wordpress.com/
Referências[1] LUCAS, Dione. Gourmet Cooking School Cookbook. Bonanza Books, 1964, p. 89.
[2] PAYNE, Robert. The life and death of Adolph Hitler. Cape, 1973, p. 346.
[3] SCHWARTZ, RICHARD H.; Don’t Put Hitler Among the Vegetarians. The New York Times, September 21, 1991.
[4] BBC – History – Historic Figures: Heinrich Himmler (1900-1945), 2014.
[5] MONTEFIORE, Simon Sebag. Stálin: a corte do czar vermelho. Editora Companhia das Letras, 2006, p. 381.
[6] FEST, Joachim. Hitler. POCKET OURO, Edição compacta, 2010. p. 781.
[7] MONTEFIORE, op. cit., p. 240.
[8] Guide to the Edgar Kupfer-Koberwitz Dachau Diaries 1942-1945, University of Chicago Library, p. 4.

[wpdevart_like_box profile_id=”vegfeel” connections=”show” width=”300″ height=”180″ header=”small” cover_photo=”show” locale=”pt_BR”]

Deixe uma resposta

Seu e-mail não será publicado.

um + dezesseis =