Desconfie do real demais nas redes sociais

Uma colunista chamada Lara Brenner, escreveu um artigo com o título “desconfie de quem é feliz demais nas redes sociais” (+ Clique aqui para ler). Nele é colocado que as pessoas se iludem e “derramam supostas felicidades nas redes sociais”, e que elas precisam voltar a cuidar do mundo “real”. Um artigo muito bom, mas surge uma pergunta: o que é o real?

É comum aos seres humanos se projetarem em personagens ou em situações sociais paralelas à realidade como ela se apresenta. Entretenimentos históricos, criação de mitos, fábulas e, atualmente, as novas tecnologias da informação e comunicação são usados como subterfúgios ao imaginário popular.





Desde o início dos registro históricos ocidentais, onde as arenas gregas e circo romanos criavam fantasias através de peças de teatro, percebe-se que é nato na espécie humana projetar-se além de uma realidade ordinária. A criatividade e a autoimagem caminham juntas. Com o desenvolver da história, esta projeção é observada na relação que as pessoas têm com a televisão. Uns querem ser o Super-Homem do cinema; outros, o Heisenberg, da Netflix.

Onde entram as redes sociais?

A possibilidade do usuário criar seu próprio personagem é a relação direta que ele tem com a criação da autoimagem.

Não se despreza aqui as aceitações em campos e engenharias sociais no surgimento de personagens ficto-realísticos, mas a satisfação de afastar-se de uma realidade limitada permeia as interpretações e traz a felicidade.

Vale destacar que o termo “felicidade”, aqui, tem em seu significado o afastamento das dores e a aproximação à realização dos desejos, do objeto desejante.

Usar o Facebook para forjar uma alegria, Instagram para iludir a felicidade, é um processo natural dos seres humanos de ascender à realidade a qual lhe é imposta.  Criatividade e sonhos são natos, e as novas tecnologias possibilitam o controle e a interatividade com os próprios personagens sociais.

por Francisco Arquer Thomé